quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

CARNAVAL: MULHERES JOVENS SÃO ALVO DA CAMPANHA DE PREVENÇÃO À AIDS

É lamentável que o Brasil, principalmente no carnaval, continue sendo “vendido” como “point” da exploração sexual de jovens carentes, da pedofilia e de outros desvios do comportamento humano. Na atualidade, o sexo está banalizado e as relações humanas, talvez em sua maioria, comprometidas e sendo consideradas apenas uma maneira de satisfazer prazeres imediatos... e “assim vamos levando”. Quando chegamos a um ponto em que o “voyeurismo” - outrora considerado, no mínimo, desvio psicológico – é televisado diariamente mundo afora e rende milhões a quem o explora, parece-me que a humanidade está realmente em sérios apuros. Não estou falando de algo hipotético; quem quiser pode investigar e comprovar se o que estou escrevendo é verdadeiro ou não. Se, para o leitor, o que estou expondo não passar de ilusão ou delírio, ignore. Porém, aqueles de nós que perceberem que estamos apenas constatando a realidade dos fatos, cabe-nos perguntar: onde foi que erramos conosco, com a educação de nossos filhos e, por conseqüência, com toda a humanidade? Diante de todos os absurdos que vemos diariamente - não apenas na mídia globalizada, mas em nosso próprio dia a dia, principalmente nos grandes centros urbanos - o que podemos fazer para corrigirmos tão graves erros pelos quais, como criadores e mantenedores desta sociedade, somos responsáveis?
Em relação às mulheres, fico com o apontamento de um dos "iluminados": "o que nós homens temos causado de mal às mulheres ao longo dos tempos é impagável!”
Ruy Soares
A origem dos comentários acima foi a preocupação do governo brasileiro com o assunto descrito no título desta matéria, cujo release recebemos da Secom e transcrevemos a seguir:
“As jovens de 15 a 24 anos de idade, com baixa escolaridade e renda, são o alvo da campanha de prevenção à Aids no carnaval deste ano. A campanha será lançada pelo Ministério da Saúde na próxima sexta-feira (25) e terá duas fases. Antes do carnaval, o apelo é para o uso do preservativo nas relações sexuais. Depois do período da festa, mostra a necessidade de fazer o teste de HIV, sífilis e hepatites quem não se preveniu em qualquer relação sexual, seja com parceiro casual ou fixo.
Segundo o Departamento de Doenças Sexualmente Transmissíveis, Aids e Hepatites Virais (DST/Aids), o público feminino foi escolhido porque a infecção entre as mulheres está crescendo. Em 1989, para cada seis homens infectados existia uma mulher. Em 2009, a proporção é de 1,6 caso em homens para uma mulher.
Entre os infectados, o grau de escolaridade das mulheres é mais baixo em comparação ao dos homens. A média delas é de quatro a sete de anos de escolaridade e, entre os homens, de oito a 11, conforme dados divulgados pelo departamento em 1º de dezembro do ano passado - Dia Mundial de Luta Contra a Aids. www.aids.gov.br”
Fonte: Secretaria de Comunicação da Presidência da República
Imagem: mystuffspace.com

2 comentários:

  1. Olá blogueiro!
    A melhor prevenção é a informação e usando a camisinha, todos curtem melhor a vida e sem preocupação. Homens e mulheres, de qualquer idade, orientação sexual ou classe social são vulneráveis ao vírus HIV e a outras doenças sexualmente transmissíveis (DSTs). Ajude a divulgar informações e conscientizar mais pessoas sobre as formas de contágio e prevenção de DSTs. A camisinha é segura e a maior aliada nesse combate. Ela é distribuída gratuitamente na rede pública de saúde.
    Camisinha. Com amor, paixão ou só sexo mesmo. Use sempre.
    Para mais informações: comunicacao@saude.gov.br, http://www.aids.gov.br ou http://www.formspring.me/minsaude
    Siga-nos no Twitter: http://twitter.com/minsaude
    Atenciosamente,
    Ministério da Saúde.

    ResponderExcluir
  2. Conforme já respondemos ao Ministério da Saúde, cujas informações são relevantes em função do comportamento fatual de nós seres humanos, não somos contra o uso da camisinha. Mas, julgamos, como veículo de comunicação, que devíamos aprofundar o tema, questionando-nos sobre porque vulgarizamos e banalizamos o sexo.
    Ruy Soares

    ResponderExcluir